Moda Andrógina

ana-paula-valadão-contra-c&a-ideologia-do-genero-lgbt-free

Na última sexta-feira dia 20 de maio, a pastora e cantora gospel Ana Paula Valadão postou uma foto em sua página no facebook demonstrando a sua #santaindignação com a nova propaganda do dia dos namorados da loja C&A: “Dia dos Misturados” que faz parte campanha: “Misture, ouse e divirta-se”.

A foto acabou gerando mais marketing pra C&A, já que mais de pessoas comentaram na foto gerando uma grande polemica. E eu decidi escrever esse post para expor um pouco da minha opinião e conhecimento no assunto, de um ponto de vista de quem mora em NY e tem visto esse tipo de propaganda em muitos outros lugares.

Mas para entender mesmo a essência da moda, precisamos também olhar todo o contexto histórico. Porque por mais que a moda possa influenciar alguma tendência, a sociedade e o que está acontecendo no momento tem uma influencia ainda maior. Vamos olhar brevemente algumas epócas nas quais mulheres usaram peças masculinas e vice-e-versa, e tentar entender o que " #‎NãoÀIdeologiaDoGênero‬ " pode significar.

1000 BC–1AD: Começando pelo começo. Na Grécia Antiga a peça de roupa popular era simplesmente um tecido longo enrolado em torno do corpo e preso com alfinetes. A peça se chamava “Doric Chiton” e era usada por ambos os sexos. Ou seja: moda agender.

449-1500 AD: Na era Medieval as mulheres começaram a usar corsete e homens leggings e calças (e tem gente que acha que calca legging em homem é coisa de viado). No século XV também tivemos a famosa guerreira Joan d’Arc que tinha uma aparencia um tanto quanto masculina. (detalhe que ela é santa padroeira da França)

1500-1600: as mulheres começaram a usar saltos inspiradas nos saltos usados pelos homens. Isso mesmo, salto alto era coisa de macho antes de ser usado por qualquer mulher.

1558-1603: A Rainha Elizabeth era super diva e caprichava em seus “looks” e issoacabou aumentando a ousadia das pessoas na hora de se vestir. Nessa epoca o teatro, arte, literatura e musica deu um boom (valeu Shakespeare!), e ai as roupas ficaram ainda mais elaboradas. Muitos babados, saias volumosas, laços.

1604-1682: Sem palavaras para o estilosissimo Rei Louis XIV né? Isso que é ter estilo!

1714-1830: Rei George e a época em que as perucas e salto alto que eram super populares entre homens ( e olha que eles nem eram drag queens)

1800-1900 as mulheres começaram a usar a calça turca por baixo do vestido. Foi um ato super escandaloso na época porque as mulheres estavam se manifestando em favor à igualdade e ao direito da mulher. Amelia Bloomer estava à frente do manifesto lutando pelo direito das mulheres de usar calças. A peça ficou até conhecida como “freedom dress” (vestido da liberdade)

1900: Coco Chanel cria roupas femininas inspiradas nas masculinas. Todo mundo sabe que a Coco Chanel foi uma das mulheres que influenciaram o uso da calça no universo feminino, mas várias outras peças criadas pela estilistas eram inspiradas na moda masculina, como a camisa listrada. Em entrevista Chanel revelou não se considerar feminista e apenas defendia a idéia das pessoas poderem se expresser de acordo com o que sentem através de suas roupas: “Eu dei as mulheres o senso de liberdade”.

1930: Um glamour diferente em Hollywood. Katharine Hepburn and Marlene Dietrich já eram parte de uma geração de mulheres que visavam independência e eram contra os rótulos da sociedade a respeito do que era feminino ou não. Elas acreditavam que seus comportamentos não deveriam ser relacionados ao seus gêneros. Em uma entrevista para Vogue, a Hepburn falou para Calvin Klein: “Toda vez que eu ouço um homem dizer que prefere mulher de saia eu falo: então usa uma você”.

1960: A tendência de roupas unissex fortaleceu a segunda onda do feminismo que tentava corrigir os estereótipos da década de 50, já que depois da II Guerra Mundial mulheres tomaram novos papéis. Elas deixaram de ser apenas donas-de-casa e começaram a explorar o mercado de trabalho. Yves Saint Laurent ofereceu uma mudança radical com looks mais agressivos e masculinos criando o primeiro tuxedo para mulheres. Sua musa Violeta Sanches, declarou para BBC que as roupas masculinas lhe deram liberdade e fizeram ela se sentir fora do rótulo de frágil em que ela se encontrava até então.

Final dos anos 60: Antes a moda andrógina era mais focada nas mulheres ganhando a sua liberdade, mas no final da década de 60 os homens também começaram a experimentar o que eles poderiam encontrar fora das expectativas da sociedade. Jimi Hendrix, Mick Jagger, David Bowie exploraram sem medo suas individualidades, dando ênfase ao seus lados femininos, mas sem dar chances de serem questionados pelas suas sexualidade.

1980: O Prince foi um dos campeões em mostrar que não estava nem aí para os papéis de cada gênero, e mostrou que se vestir de uma forma feminina não tinha nada a ver com a sua opção sexual. Na mesma época, Grace Jones foi um grande símbolo andrógino. Ela dizia se sentir como ambos os sexos, mas que não precisava prova nada à ninguém já que ela não precisava de ninguém além dela mesma.

1990: Kurt Cobain se apresentava com seus cabelos longos loiros, delineador, e vestido.  Para ele, essa era uma forma de questioner as limitações que a sociedade nos impõe: ”Usar roupas para brincar com os gêneros não é só uma maneira de ficar bonito, mas de mostrar os limites da sociedade e questionar suas normas”.

2010- atualmente: Tudo de novo
Na verdade, a moda unisex ou moda andrógina não é algo que surgiu agora do nada. Não foi a C&A que decidiu criar uma propaganda para fazer as pessoas se sentirem livres para vestir o que quiserem. Como vimos acima, a moda já passou por várias demonstrações como essa antes, e tudo envolve e reflete o que está acontecendo com a nossa sociedade.

Já está mais do que na hora de podermos ter liberdade de nos expressar através das nossas roupas, e não sermos julgados ou rotulados por isso. Afinal, roupa é apenas roupa, e a forma que nos vestimos ou nos comportamos não precisam necessariamente estar relacionados com a nossa opção sexual. Eu por exemplo sou lésbica e me visto super feminina. Não é porque eu gusto de mulher que preciso me vestir como homem. E a mesma regra serve para o nosso comportamento: Eu tenho uma amiga que ama beber cerveja e andar de skate, enquanto o seu namorado adora desenhar e faz roupas pra sua marca. Os dois são heteros, se amam, e são felizes fazendo o que gostam.

Como vimos no começo desse post, na Grécia Antiga a diferença entre a roupa masculina e feminina era mínima, tudo era meio que unisex. A ideologia do gênero começou a existir na verdade quando começamos a categorizer o que era feminino e masculino, colocando barreiras no nosso livre arbítrio de gostar de algo ou não. Por causa disso meninas não devem brincar de carrinho ou jogar futebol, e meninos não podem brincar de boneca ou ter nada na cor rosa. Mas a pergunta é: o que muda na vida das outras pessoas, se meu filho gosta de barbies e canta Katy Perry? Por que as pessoas se importam mais com a crítica alheia do que com a dádiva de ver alguém feliz por ter achado uma paixão, seja ela coisa de menino ou de menina? CHEGA disso!

Por esses motivos fiquei profundamente decepcionada quando li o post da Ana Paula Valadão em relação a campanha da C&A. Porque independente da religião e profissão dela, ela é uma mulher que usa calça e tenho certeza que não gostaria de se sentir limitada, dependente, abusada e submissa aos homens. E acima de tudo isso, respeito a opinião e crença dela, mas acredito que ela tenha cometido um grande erro publicando seus pensamentos da forma que ela fez. Ela sutilmente alimentou os pensamentos que favorecem a homophobia, e a idéia de boicotar ou ir contra pessoas que vestem roupas que não “combinem” com seu gênero sexual. E isso é o que menos precisamos em um país que lidera o ranking de assassinatos contra homossexuais. De acordo com o GGB (Grupo Gay da Bahia) um homossexual morre a cada 28 horas (suicídio e assassinato) e cerca de 70% dos casos dos assassinatos de pessoas LGBT ficam impunes. Sem necessidade alguma para Ana Paula Valadão, que infelizmente tem grande influência sobre tantas pessoas fazer uma publicação do tipo.

Por todos os lugares que eu ando em NY tem campanhas mostrando a beleza do adrógino, e a polêmica tem sido bem grande aqui também. Principalmente nos últimos meses por causa da discussão sobre as regras do uso dos banheiros para transsexuais. Famosos como Bruce Springsteen e Miley Cyrus estão usando suas vozes em favor à igualdade, juntamente com empresas de grande poder como: Apple, Airbnb, Yahoo, Twitter, Marriott, Bank of America, American Airlines, Cisco, Uber, Google Ventures, Facebook e mais 78 outras. Pois é Ana, talvez seu boicote deveria começar por deletando seu face né amigue? CHEGA Ana.

Espero poder ter explicado um pouco o quanto a moda não tem todo o poder de influenciar as pessoas, mas sim vice-e-versa. Um estilista, marca, ou loja, precisa fazer vendas e não iriam lançar roupas que as pessoas não comprariam. Moda retrata o que está acontecendo com a sociedade, e esse movimento não foi idéia da C&A, Gucci, ou Jaden Smith, nós estamos fartos das regras e julgamentos que sufocam e limitam a nossa identidade. Estamos em 2016: CHEGA de machismo, de homophobia, e de preconceito.

Parabéns C&A, e parabéns à todos que lutam para um Brasil com mais igualdade. Abaixo separei algumas das minhas campanhas favoritas de marcas que também abraçaram a causa da liberdade de vestirmos o que quisermos. 

Raquel Paiva

Brazilian fashion and lifestyle blogger based in NYC